R. Egito, 23 - Jardim Santo Ignacio - São Bernardo do Campo - SP.

11 4336-1830 / 2374-8650 / 2374-8652

vendas@proexequipamentos.com.br

Extintores de incêndio

Proex Extintores

A empresa Proex fundada em 19 de fevereiro de 2008 tem sua sede administrativa em São Bernardo do Campo - SP. Sendo especializada na comercialização de extintores, mangueiras e equipamentos de combate a incêndio.

Conheça a Proex

ORÇAMENTO RÁPIDO


Equipamentos contra incêndio

Perguntas frequentes

Uma breve história do extintor de incêndio

Saiba que os extintores de incêndio foram inventados há mais de dois mil anos? Conheça ahistória e a evolução desses equipamentos que ajudam a salvar vidas todos os dias.

Cerca de 200 anos a.C., o matemático e engenheiro grego Ctesíbio, de Alexandria, inventou uma bomba manual capaz de levar água até um incêndio, e sabe-se que os romanos também usavam correntes de baldes que passavam de mão em mão para carregar a água até o fogo. Então, na Idade Média, começaram a ser usados para aplicar jatos de água contra incêndios. O esguicho funcionava mais ou menos como uma bomba de bicicleta. O esguicho carregado era então dirigido para o fogo e a "bomba" era pressionada para ejetar a água. Essesesguichos foram utilizados em 1.666 no Grande Incêndio de Londres.

A primeira versão do moderno extintor portátil foi inventada pelo capitão George William Manby em 1819, que consiste em um vaso de cobre de 13,6 litros de uma solução cinza pérola (carbonato de potássio) sob pressão de ar comprimido.

Por volta de 1912, a Pyrene foi a pioneira no uso do tetracloreto de carbono (ou Extintor TCC), onde o líquido era expelido de um recipiente de latão ou cromo por meio de uma bomba de mão diretamente no local do incêndio. O Extintor TCC vaporizava e extinguia as chamas ao causar uma reação química. Esse extintor era adequado para incêndios líquidos e elétricos e foi popular em veículos a motor durante 60 anos. O vapor e a combustão dos produtos eram altamente tóxicos e muitas mortes ocorreram ao usar esses extintores em espaços fechados.

Já no final do Século 19 surgiram os extintores à base de soda-ácido, contendo um ou dois galões de água misturada com bicarbonato de sódio. Suspenso no cilindro havia um frasco contendo ácido sulfúrico concentrado, que era quebrado durante o uso. O ácido sulfúrico era misturado à solução de bicarbonato de sódio e um gás de dióxido de carbono era expelido, fazendo pressão na água. A água pressurizada era forçada para fora do extintor por meio de uma pequena mangueira.

Os extintores de espuma consistiam em um recipiente principal cheio de espuma química e um segundo recipiente preenchido com um outro produto químico que reagia quando entrava em contato com a solução dentro do cilindro principal. Para operá-lo, era preciso virar o extintor de cabeça para baixo e permitir que as duas soluções se misturem, então pressionar o dedo sobre o bocal de descarga e agitar o extintor para garantir que a solução tivesse sido devidamente misturada. Só então direcionava-se o extintor para o fogo.

Em 1924, a Companhia Walter K. inventou o extintor de CO2 (Dióxido de Carbono), que era fabricado a partir de um cilindro de metal contendo 3.4 kg do agente, com uma válvula e uma mangueira. Até hoje esse tipo de extintor é utilizado para incêndios classes B e C.

Na metade do Século 20 surgiram os extintores modernos que usam diferentes tipos de agentes de extinção do fogo. Os fabricantes de extintores geralmente utilizam algum tipo de cilindro pressurizado para armazenar e descarregar o agente extintor.

Nos anos 70, o halon 1211 veio da Europa para os EUA, onde era utilizado desde os anos 50. O Halon 1301 foi desenvolvido pela DuPont e pelo exército americano em 1954. Ambos atuam inibindo a propagação do fogo. Esse sistema é utilizado até hoje em aplicações militares e aeronáuticas, com restrições ambientais em diversos países.

Os primeiros tipos de extintores eram pressurizados com ar (cerca de cinco vezes a pressão de um pneu de automóvel). Um gatilho operava a válvula de pressão do cilindro. O agente extintor era lançado pela mangueira na forma de um vapor expelido pela pressão.

Os segundos tipos de extintores eram do tipo "cartucho de gás", e eram operados da mesma maneira, mas a fonte de pressão é um pequeno cartucho de dióxido de carbono em vez de ar comprimido.

Para água, espuma, pó seco ou reagente químico, os agentes extintores podem ser armazenados tanto com pressão ou com um cartucho de gás, entretanto, os extintores de pressão são os mais usados normalmente, enquanto os de cartucho são mais empregados em navios e refinarias.

O desenvolvimento e aperfeiçoamento de extintores de incêndio percorreu um longo caminho nesses mais de dois mil anos.
Hoje classificamos muitos tipos diferentes de fogo, e os extintores de incêndio modernos dividem-se em várias classes para agir de forma eficaz sobre cada tipo de fogo diferente. Essas classificações e desempenho são um importante desenvolvimento no combate a incêndios – sejam eles de origem sólida, líquida ou elétrica.

Quando instalados em parede, a fixação do suporte deve estar no máximo 1,6M do piso e que o extintor fique no mínimo a 0,20M do piso.

Quando instalados em piso acabado o extintor deve ser colocado em suporte apropriado com altura de 0,10M e 0,20M do piso

Os extintores não podem ser instalados em escadas. Devem permanecer desobstruídos e sinalizados.

A proteção da edificação não pode ser feita somente por extintores sobre rodas, sua proteção atende somente a metade da área correspondente ao risco, tendo que ser complementado por extintores portáteis de forma intercalados.

Deve ser colocado em locais estratégicos e em piso de livre acesso.

Como usar o extintor de incêndio?

Conheça oito passos importantes para usar um extintores de incêndio e garantir a segurança em casos de emergência.

É possível que você se depare com um incêndio fora de controle pelo menos uma vez na vida,portanto, saber como usar o extintores de incêndio é uma habilidade importante que todos nósdevemos aprender. Neste artigo vamos explicar o processo de usar um extintores de incêndio em caso de emergência.

Primeiro passo: Peça ajuda antes de tentar apagar o fogo sozinho

O incêndio pode se espalhar muito mais rápido do que você é capaz de lidar, e se a ajuda estiver a caminho, essa é uma preocupação a menos para você.

1. Ligue 193 para chamar os bombeiros e explique a situação, fornecendo o endereço corretamente do local. É importante manter a calma e pedir maiores orientações de acordo com o tipo de incêndio.

2. Verifique se todas as pessoas já evacuaram do local, bem como remova os animais de estimação. É importante que todos se reúnam em um local de segurança que deve ser combinado anteriormente (uma praça, uma esquina, etc.). Não deixe sob nenhum aspecto crianças usarem o extintores de incêndio ou tentarem controlar o fogo.

3. Reagir a um incêndio requer um processo de decisão e raciocínio que crianças e alguns adultos não são capazes de tomar se estiverem em pânico. Somente pessoas treinadas devem agir nesses momentos.

Segundo passo: Verifique sua própria segurança antes de tentar apagar o fogo

Existem algumas considerações importantes que devem ser feitas antes de começar a enfrentar o fogo com o extintores de incêndio.

1. Você é fisicamente capaz de apagar o fogo? Algumas pessoas possuem limitaçõesfísicas que podem reduzir ou eliminar a habilidade de usar corretamente um extintores de incêndio.

2. Procure rotas de fuga. Assegure-se de que existe uma saída livre caso isso seja necessário. Durante todo o tempo você deve ter em mente a saída com segurança do local. Se não houver um meio de combater o fogo com uma saída fácil, abandone o local imediatamente.
O Corpo de Bombeiros recomenda a instalação de extintores de incêndio perto de um ponto de saída, para permitir que você fique de costas para a saída ao usar o extintor; isso garante uma fuga rápida se o fogo não puder ser controlado.

3. Não tente apagar o fogo se ele estiver exalando uma fumaça tóxica. Se você não souber se a fumaça é tóxica, saia do local e espere os bombeiros.

4. Verifique a segurança da estrutura do local, em caso de paredes, pisos ou andares em chamas que possam colocar sua segurança em risco.

5. Se houver mais de um extintores de incêndio, verifique se outro adulto capacitado pode usá-lo para lhe ajudar.

6. Lembre-se de que a sua vida é mais importante do que sua propriedade, portanto, não coloque a si próprio em risco.

Terceiro passo: Analise o fogo

Apenas um incêndio restrito pode ser apagado com um extintores de incêndio. Extintores portáteis são valiosos para uso imediato em pequenos focos de incêndio porque eles contêm uma quantidade limitada de material extintor, que deve ser usado corretamente ou será desperdiçado. Por exemplo, se uma panela pega fogo acidentalmente, é preciso desligar o fogão, tampar a panela e usar o extintor. Mas se o fogo já tiver se espalhado, essas ações não são adequadas e apenas bombeiros treinados serão capazes de controlar as chamas.

Use rapidamente o bom senso sobre a utilidade e segurança do uso do extintor na situação que você está enfrentando. Obviamente, o extintor é um exagero para apagar uma vela, mas é inútil contra uma casa em chamas. O fogo em um cesto de lixo ou de papéis, entretanto, pode ser combatido com o extintores de incêndio.

Quarto passo: Verifique o tipo de extintor

Existem cinco classes principais de extintores de incêndio, cada uma própria para ser utilizada em tipos diferentes de materiais.

Classe A: Materiais Sólidos – Ideal para roupas, borrachas, papéis, alguns plásticos e materiais comuns inflamáveis.

Classe B: Líquidos Inflamáveis – Ideal para graxa, gasolina e alguns tipos de óleos inflamáveis.

Classe C: Materiais elétricos energizados – Ideal para incêndios em partes elétricas causados por ferramentas, curtos-circuitos e semelhantes.

Classe D: Metais pirofóricos – Ideal para uso em metais que reagem à água como magnésio e alumínio em pó, por exemplo.

Classe K: Óleos e gordura – Ideal para uso em cozinhas e frigideiras que contenham óleos vegetais, gordura animal e semelhantes.

Note que muitos extintores de incêndio funcionam em uma combinação de tipos de fogo. Você precisará decidir rapidamente qual o tipo de incêndio que está enfrentando e utilizar o extintor compatível. Um extintor de pó ABC é uma opção multiuso para as classes A, B e C, caso você não saiba com que tipo de fogo está lidando.

Quinto passo: Prepare o extintor

Quase todos os extintores de incêndio possuem uma trava de segurança. Essa trava geralmente se assemelha a um anel de plástico ou de metal. Você deve quebrar a trava e puxar o pino de segurança antes de usar o extintor pressionando o gatilho, que expelirá o material sobre o fogo.

Uma grande ajuda é estar familiarizado com um extintores de incêndio antes de realmente precisar usá-lo. Leia as instruções ou procure orientações dos bombeiros para se preparar melhor diante de situações de emergência.

Sexto passo: Mire na base do fogo

Usar o extintores de incêndio direto nas chamas é uma perda de tempo e desperdiçará o material, já que você não está combatendo a origem do fogo. É vital parar o incêndio em sua origem, ou mesmo remover combustíveis inflamáveis de perto dele. Ao mirar o extintor na base do fogo, você estará eliminando a origem do incêndio e isolando o que causou a combustão.

1. Use o extintor na posição vertical
2. Puxe a trava rompendo o lacre
3. Aperte o gatilho até o fim
4. Dirija o jato à base do fogo

Sétimo passo: Um extintor contém apenas 10 segundos de uso

O extintores de incêndio é para uso rápido e imediato, e não para um combate prolongado ao fogo. O tempo médio de uso de um extintor é de 10 segundos, mas se o extintor já tiver sido usado parcialmente, esse tempo pode ser ainda menor.

1. Se o fogo não apagar até o término do uso do extintor, saia do local imediatamente.
2. Se o ambiente estiver repleto de fumaça, fuja ainda mais rápido.

Oitavo passo: Retorne ao local se o fogo foi apagado

Não deixe o local totalmente sozinho, pois o fogo pode reascender sem aviso. Se for seguro, remova as fontes do incêndio do local e comece a limpeza. A água pode ser usada para garantir que não haja outras faíscas ou focos de combustão. O Corpo de Bombeiros podegarantir que o fogo foi completamente extinto.

A distribuição dos extintores deve ser de forma que a distancia para o operador percorrer seja inferior a:

Risco baixo 25 metros

Risco médio 20 metros

Risco alto 15 metros

© Proex Extintores - Todos direitos reservados. Desenvolvido por OtimizaMais

Formas de Pagamento Proex